Menu


VITÓRIA 87FM

Laudo aponta que bebê internada com fraturas era espancada e torturada de forma 'repetida e contínua'; pais estão presos...

09 MAR 2020
09 de Março de 2020
Documento ressalta que menina, de 6 meses, também tem hematomas e queimaduras. Ela está internada em coma e com quadro gravíssimo. Polícia apura caso.Laudo prévio elaborado pela Polícia Técnico-Científica relatou em detalhes a situação da bebê de 6 meses internada com várias fraturas e queimaduras pelo corpo. Os pais estão presos suspeitos do crime em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia. Segundo o documento, a menina era vítima de maus-tratos, agressões e tortura de forma "repetida e contínua".

O G1 não conseguiu localizar a defesa dos pais da menina até a última atualização desta reportagem.

A bebê está internada no Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia. De acordo com boletim divulgado na manhã desta segunda-feira (9), o quadro dela é considerado gravíssimo. A menina está em coma, em um leito de UTI Pediátrica e respira com auxílio de aparelhos.

O laudo, assinado por um médico legista, informa que a criança tem múltiplas lesões - ao menos 12 - e hematomas na cabeça e pelo resto do corpo oriundos de agressão física, além de queimaduras em várias fases de evolução. Na conclusão, o profissional ressalta a bebê corre "grande risco de morte" se sua situação piorar.

Investigação
Os pais dela foram presos suspeitos do crime na sexta-feira (6), em Trindade. O homem, de 24 anos, negou as acusações. Já a mulher, de 18, alegou que tentou proteger a filha, mas que o marido puxou as pernas e braços com força e bateu a cabeça da criança na madeira da cama.

"A mãe tinha o dever de garantir segurança a essa criança. Ela não fez nada. Percebemos que esse casal não tinha nenhum tipo de amor por essa criança", afirmou a delegada.
A mãe levou a bebê a um posto de saúde no Setor Laguna Park, em Trindade, na quinta-feira (5). De lá, a unidade encaminhou a criança ao HMI, onde a médica suspeitou de maus-tratos e chamou a polícia.

A delegada disse que irá ouvir mais testemunhas para entender a rotina da família. "Estamos no prazo das investigações, vamos ouvir as pessoas que moravam ali por perto porque queremos entender o relacionamento desse casal, entender em que situação que essa criança vivia. Vamos conversar também com o pessoal da unidade de saúde que atendeu a criança inicialmente", destaca.

A criança pesa pouco mais de 2 kg, mesmo tendo 6 meses de vida, o que indica desnutrição.


O casal é do Pará e morava em uma casa totalmente precária, suja e com poucos móveis e comida. No local, o Conselho Tutelar encontrou vários pedaços de vela - a energia está cortada - e inúmeras garrafas vazias de bebida.

O casal tem outro filho, de 1 ano e 4 meses, que mora com a avó no Pará por conta da situação financeira crítica do casal, que está desempregado.
Por Sílvio Túlio, G1 GO....
Voltar


Tenha também o seu site. É grátis!