Menu


VITÓRIA 87FM

Corpo achado carbonizado pode ser de jovem que sumiu após abordagem policial em Nova Crixás, diz família...

04 FEV 2020
04 de Fevereiro de 2020
Mãe havia denunciado que o filho sumiu no dia 25 de janeiro, após voltar de uma igreja. Roupas da vítima foram reconhecidas por parentes como sendo de Edvan dos Santos Silva.Um corpo carbonizado encontrado no norte goiano pode ser de um jovem que, segundo a família, desapareceu após uma abordagem policial em Nova Crixás, no norte goiano. Os pais de Edvan dos Santos Silva, de 18 anos, reconheceram as roupas da vítima como sendo do garoto.

O corpo foi encontrado perto do Rio Paçoca, em Novo Planalto, também no norte goiano, no último dia 28 de janeiro. Segundo a mãe de Edvan, a dona de casa Maria Aparecida dos Santos, de 42 anos, a família foi contatada por peritos na quinta-feira (30) que revelaram a possibilidade.

"Encontraram um corpo queimado que pode ser que seja o dele. Tem também a camisa que pode ser a dele. Então estão fazendo DNA para tentar saber se é ele ou não. [Estamos] muito agoniados", contou.
A Polícia Técnico-Científica informou que não pode se posicionar sobre a perícia do corpo.

A Polícia Civil afirmou, por meio de nota que, "conforme relatado pela delegada local, Jocelaine Braz, existe uma investigação em andamento sobre o desaparecimento de Edvan dos Santos Silva na Corregedoria da Polícia Civil por conta de suposta participação de servidor comissionado, lotado na cidade de Nova Crixás, no fato denunciado”.

A reportagem pediu um posicionamento à Polícia Militar por e-mail e mensagem, às 12h, e aguarda retorno sobre o caso.

Desaparecimento
A mãe conta que a abordagem aconteceu por volta das 21h do dia 25 de janeiro, logo após os filhos e o marido dela voltarem de uma igreja. Maria Aparecida relata que uma pessoa procurou a casa da família para comprar os perfumes que ela revende. Logo em seguida, a polícia estacionou os carros na rua.

Assustados, o cliente, o filho e uma terceira pessoa correram para pular um muro. Neste momento, Edvan ficou preso em um arame e foi pego por policiais. Segundo a mãe, o alvo da polícia era o suposto cliente.

A mãe denuncia que um policial civil foi identificado por vizinhos durante a abordagem, mas que os demais militares não foram reconhecidos. No dia seguinte, ela procurou a delegacia de Nova Crixás.

A Polícia Civil registrou a ocorrência como “extra policial de fatos atípicos”. No documento consta que a mãe procurou a delegacia informando que “o filho não foi visto após uma suposta abordagem policial próximo à sua casa. Informou ainda que se tratava de policiais trajados de fardamento preto e que estavam em três viaturas pretas”.
Por Ana Paula Moreira e Vanessa Martins, TV Anhanguera e G1 GO...
Voltar


Tenha também o seu site. É grátis!