Menu


VITÓRIA 87FM

Padrasto é condenado a 32 anos de prisão por torturar e matar enteada, em Goiânia....

12 MAR 2019
12 de Março de 2019
Segundo denúncia, servente de pedreiro agrediu menina de 1 ano de vida e a jogou contra a cama. Crime aconteceu em 2016.O servente de pedreiro Alex Lima Soares, de 36 anos, foi condenado nesta terça-feira (12) a 32 anos de prisão por ter torturado e matado a enteada Nicole de Jesus, de 1 ano e sete meses, em Goiânia. Segundo a denúncia, ele espancou a criança com golpes na cabeça e no abdômen, além de arremessá-la sobre a cama. O padrasto nega ter cometido o crime, em 2016.

Presidida pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara, a sessão ocorreu no Fórum Cível de Goiânia. Alex foi acusado de homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima, além de tortura. O Conselho de Sentença entendeu que ele era culpado.

“As três situações, a futilidade, a crueldade e recurso que impossibilitou a defesa da vítima e por ser infante, uma criança, foi a razão pela qual chegou o homicídio a 24 anos de prisão”, disse o magistrado.

O G1 tentou contato, por telefone, com o advogado de Alex, Dalto Messora, nomeado pela Justiça há 2 anos para defender o suspeito, mas as ligações não foram atendidas. Ele tem cinco dias para recorrer da decisão.

Em depoimento inicial na delegacia, o réu confessou ter cometido o crime e, posteriormente, alegou durante audiência de instrução e julgamento do processo que agiu por bobeira. No entanto, ele mudou a versão durante o júri e alegou que não matou a criança. O padrasto disse que mentiu porque teria sido “oprimido, enforcado e obrigado a confessar”.Acusação
O promotor de Justiça Agnaldo Bezerra Tocantins pediu a condenação máxima do acusado, por se tratar, segundo ele, de um crime sem motivo, agravado pelo fato de a vítima ser uma criança de tão pouca idade.

“O laudo cadavérico mostra que a Nicole teve uma fratura no fígado e sentiu dores horríveis de 4 a 6 horas antes de morrer. Um crime desses choca, revolta. Uma criança absolutamente indefesa. Isso é barbárie”, afirmou.

Mãe
A mãe da criança, a auxiliar de cozinha Rosângela Pereira de Jesus, de 27 anos, chegou a ser indiciada pela polícia por homicídio. No entanto, o MP-GO a denunciou somente por omissão.

Rosângela chegou a ser mandada a júri popular, mas a decisão de pronúncia foi negada pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO). O despacho foi confirmado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Morte da criança
Nicole morreu no dia 24 de janeiro de 2016. Ela teve uma lesão no fígado, ocasionada pelas agressões.

Conforme a denúncia, oito meses antes da morte, a criança já vinha sendo agredida pelo padrasto. Os atos de violência, relata o documento, ocorriam quando a mãe dela saía para trabalhar e a deixava aos cuidados do marido.

Os promotores pontuaram que Alex agredia a menor, “infringindo intenso sofrimento físico e mental por meio de socos, cotoveladas e tapas, chegando a quebrar a perna e a queimar a criança, como forma de aplicar à infante castigo pessoal”.


Por Paula Resende e Fábio Castro, G1 GO e TV Anhanguera                                                                                     .....
Voltar


Tenha também o seu site. É grátis!