Menu


VITÓRIA 87FM

Moradores relatam pavor de criança ao ver mãe ser baleada em Aparecida de Goiânia

10 SET 2018
10 de Setembro de 2018
Segundo Polícia Civil, eles também ouviram tiros, um carro saindo e o choro da criança. Vítima continua internada em hospital de Goiânia.Alguns moradores do bairro Jardim Helvécia, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, relataram o desespero do menino de 2 anos que viu a mãe, de 21 anos, ser baleada. Um deles, que não quis ter a identidade divulgada, revelou à TV Anhanguera que levou o garoto para dentro de casa, mas ele estava muito assustado.

"Levei ele para casa ali, para poder ver [como ele estava]. Nem beber leite o menino não quis, com medo. Ver o desespero de uma criança daquela é triste", afirmou.
A delegada de plantão que atendeu à ocorrência, Ilda Helbingen Santos, contou que as pessoas que estavam ali perto ouviram os barulhos dos tiros e de um carro saindo. Segundo ela, ainda não há identificação de suspeitos do crime ou motivação.

“Só sabemos que a família dela é do Pará, conseguimos localizar um parente que estaria vindo para Aparecida de Goiânia. Ela tinha uma passagem para o Mato Grosso, estava com várias malas e, aparentemente, nada foi levado. Ninguém na região a conhecia”, contou ao G1.

A jovem foi baleada na cabeça na tarde de domingo (9). Ela foi socorrida e levada para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde segue internada. O G1 entrou em contato com a unidade de saúde por e-mail às 14h29 para saber o estado de saúde atualizado da paciente e aguarda retorno.

Nesta manhã, a assessoria de comunicação do Hugo havia informado que a jovem passou por procedimentos cirúrgicos com a equipe de Neurocirurgia durante a noite de domingo e está sedada e intubada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O estado de saúde da vítima era considerado gravíssimo até então.


Rua em que a jovem de 21 anos foi baleada com o filho de 2 anos no colo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Segundo a Polícia Civil, a criança foi deixada aos cuidados do Conselho Tutelar da cidade que aguarda a chegada de algum parente, como explica o conselheiro Iron Cordeiro.

“Interessante que todos os pertences estavam com ela. Só não tinha celular. Então a gente não sabe precisamente o que aconteceu. Foi encontrado um avô lá do Pará que ontem mesmo saiu de lá e está vindo buscar a criança”, disse à TV Anhanguera.
....
Voltar


Tenha também o seu site. É grátis!